A arbitragem de filas do livro de negócios se aplica a mercados (ou comportamentos sazonais) muito específicos. Essa foi a primeira técnica que eu, Caio Sasaki, aprendi no trading, em meados de 2006. Não foi uma questão de escolha, aliás, foi o único caminho que eu tinha na época, pois os traders que me treinaram eram espanhóis que, por sua vez, aprenderam a técnica com um grupo de traders holandeses, que só atuavam no mercado dessa maneira. O foco deles era basicamente atuar em ativos com boa liquidez, mas comportamento lateralizado, o que, na maioria das vezes, significava operar ativos com preço abaixo de $4,00.

Em uma ação de $4, uma variação de 1%, oscilação típica em um dia comum, significa 4 centavos. A partir daí, já é possível ter noção do comportamento gráfico dessas ações. Contudo, para quem analisa do ponto de vista de fluxo, há muita coisa que se pode fazer nesses casos, especialmente quando há boa liquidez, com robôs VWAP e TWAP (falamos disso umas aulas atrás) fazendo compras e vendas gradativas ao mesmo tempo que outros players vão renovando (posicionando mais) lotes de compra e venda nas filas (conhecidas como ordens escondidas ou ordens Iceberg).