Até agora, você viu inúmeras formas de se interpretar um gráfico. As opções são muitas – operar com indicadores, operar sem indicadores, em tempos gráficos maiores, menores, usar price action... são tantas as opções que no começo chegamos a ficar um pouco perdidos.

Diante de tantas possibilidades, é necessário organizarmos as ferramentas de modo que sejamos capazes de tomar decisões acertadas em nossas operações. E é aí que entram os setups.

Setups nada mais são do que um conjunto definido de regras que nos autorizam – ou nos impedem – de entrar em determinadas operações. Essas regras podem ou não envolver um ou mais indicadores que trabalharão em conjunto para suportar a sua tomada de decisão.

Colocado de outra forma, um setup nada mais é do que um conjunto que inclui variáveis como preço, volume e indicadores técnicos e que determina as entradas e as saídas nas operações, bem como o gerenciamento de risco.

Existem setups bastante conhecidos, que são ensinados na maioria dos livros, como os do Larry Williams, Fechou Fora – Fechou Dentro, cruzamento de médias móveis e assim por diante (acredite, existem centenas de setups publicados em livros). Mas também existem aqueles setups que o próprio trader cria a partir do seu conhecimento e experiência com indicadores e com o gráfico.

Mas não se preocupe. Sua primeira tarefa é conhecer tudo o que for possível – obviamente, na conta demo e sem colocar um único centavo do seu dinheiro – para ganhar experiência e intimidade com gráficos e indicadores e só então partir para os setups.

Sugerimos que comece por setups prontos – apresentaremos vários deles ao longo do curso – e teste-os para identificar aqueles com os quais você se sente mais confortável.

Depois de testar vários deles, escolha aquele conjunto de setups (pode ser um só, se você quiser) com o qual você sente mais confiança.

Não se deixe levar pela maioria – na hora de escolher, leve em consideração o seu perfil, a sua disponibilidade de tempo e o seu capital disponível. Não é porque todo mundo opera um determinado setup, que você será obrigado a fazer o mesmo. Você está nesse mercado para fazer dinheiro, e não para fazer parte de um grupo bacana.

Essa fase de identificação e escolha levará bastante tempo; por isso, recomendamos que não utilize dinheiro de verdade. Lembre-se: primeiro você escolhe a ferramenta, depois testa para saber se ela funciona e ,por último, – depois de ganhar desenvoltura no seu uso –, é que você testará o seu psicológico com dinheiro de verdade. Não se esqueça que ninguém aprende a dirigir um carro na BR-116 em véspera de feriado.

 

Mas como saber se o setup é bom mesmo?

Bem, para isso temos o backtest – nome que se dá ao processo de testar um setup e, a partir de contas matemáticas sobre os dados coletados, verificar se ele possui expectativa matemática positiva ou não. Além disso, todo setup deverá passar por revisões periódicas, uma vez que os mercados mudam e, eventualmente, ele precisará de pequenos ajustes e verificações para avaliar se mantém a mesma expectativa matemática de antes.

 

Mas onde está o setup que você prometeu?

 OK, vamos começar com um setup bastante simples e que ajudará você a entender o seu funcionamento.

Você vai precisar de:

- Gráfico de 15 minutos do ativo que preferir (ações ou futuros).

- Média Móvel Exponencial de 9 períodos.

- MACD Histograma na configuração padrão.

  

Operação

 Aguarde (sim, o que o trader mais faz é ficar esperando) o preço entrar em tendência de alta (topos e fundos ascendentes). Tanto os preços quanto a média móvel deverão apresentar uma inclinação de pelo menos 45 graus.

 Aguarde então o preço começar a descer em direção à média móvel e espere que um candle toque na média (pode ser o corpo ou o pavio, tanto faz). A média móvel deve permanecer inclinada para cima e o candle não poderá fechar abaixo da média móvel.

O MACD deve estar em modo compra (barrinhas do histograma acima da linha zero).

 Todas essas condições deverão estar satisfeitas. Se pelo menos uma dessas condições não for preenchida, a operação estará invalidada.

 Marque a máxima do candle que tocou na média móvel. Coloque uma ordem de compra um tick acima desse candle. Quando o próximo candle romper essa máxima, sua operação será iniciada.

Se o próximo candle não romper, aguarde que mais um candle rompa a máxima do que tocou a média. Se o segundo candle não romper, o setup está desfeito e você deve aguardar a próxima oportunidade.

 Uma vez que sua operação deu entrada, posicione seu stop loss um tick abaixo da mínima do candle que tocou na média, e seu stop gain a uma distância de 100% do tamanho do candle que tocou a média, projetado a partir do ponto de entrada na operação.

 Aguarde seu gain ou realize seu loss.