O Forex é um mercado financeiro descentralizado destinado a transações de câmbio que movimentam diariamente o equivalente a 5 trilhões de dólares americanos.

É, sem dúvida, o maior mercado financeiro do mundo. O FOREX (FX) – abreviatura de Foreign Exchange – funciona ininterruptamente, 24 horas por dia, 7 dias por semana. E isso ocorre por uma razão bastante óbvia: por conta dos diferentes fusos horários, sempre haverá algum país no mundo em horário comercial.

Durante todo o dia, um número inimaginável de transações é realizado no planeta, envolvendo moedas de diversos países. Enquanto os chineses estão dormindo, nós aqui no Brasil estamos em algum site comprando coisas, produtores de soja e milho estão faturando seus produtos para um cliente na Índia e algum fabricante americano de produtos eletrônicos está vendendo um lote de equipamentos para um distribuidor na Nova Zelândia.

Em poucas horas, a situação se inverte, enquanto países norte e sul-americanos estão em seu horário de descanso, países ao leste estão a todo vapor.

Embora o dólar seja a base referencial para o comércio mundial, a maioria dos países utiliza internamente suas moedas locais. No Brasil, usamos o Real (BRL – Brazilian Real); no Japão, a moeda é o Yen (JPY) e assim por diante.

Em razão de todos esses fatores, existe um fluxo contínuo de trocas entre as diversas moedas do mundo.

Mas, como você viu no Módulo de Economia do TNT, as moedas também estão sujeitas às leis de oferta e demanda, ou seja, se há escassez de uma determinada moeda, ela fica mais cara. Por exemplo, basta investidores decidirem sair do Brasil temporariamente para o Dólar subir de preço. E, quando voltam, o afluxo da moeda americana aumenta, fazendo sua cotação baixar.

Assim, e em função das variações de demanda por moeda nos diversos países, as moedas estão constantemente ajustando preços entre si, provocando a flutuação das cotações.

Portanto, o mercado de Forex vai muito além dos gráficos de cotações – ele é o próprio conjunto de troca de moedas que ocorre constantemente em todo o planeta. Por essa razão, funciona nos sete dias da semana sem interrupção.

Quando você vai a uma casa de câmbio comprar Dólares ou Euros para a sua viagem, está participando desse mercado.

Como traders, temos acesso a esse mercado durante apenas parte da semana: entre domingo à tarde e sexta-feira à tarde. Nos finais de semana, embora as trocas sigam ocorrendo, nós, traders, ficamos de fora.

E o que negociamos? Nesse mercado, operamos as diferenças de cotações entre duas moedas.

Se você comprar US$ 1.000,00 hoje e a cotação estiver R$ 3,20, você terá um desembolso de R$ 3.200,00. E, se daqui alguns dias a cotação do dólar subir para R$ 3,45 e você decidir vender seus dólares, receberá R$ 3.450,00, auferindo lucro em sua operação.

O que você fez? Simplesmente conduziu um trade entre duas moedas beneficiando-se da diferença entre suas cotações.

Esse é o Forex – um mercado em que nós, traders, podemos especular sobre a flutuação das cotações entre pares de moedas, como fizemos no exemplo anterior.

Sem dúvida, esse mercado é enorme e muitas coisas acontecem a todo o momento. Muitos traders fazem um bom dinheiro nesse mercado operando basicamente swing trading. Tempos gráficos de quatro horas diluem os movimentos erráticos de curtíssimo prazo, tornando a operação mais tranquila, o que ajuda na gestão psicológica do trader.

A altíssima alavancagem – cada contrato vale US$ 100.000,00 –, combinada com a possibilidade de operar microlotes (0,001 lote), tornam esse mercado acessível a qualquer pessoa que tenha pelo menos US$ 500,00 disponíveis para operar (exigência da maioria das Corretoras).

Se você é iniciante no FX, sugerimos que não comece pelo day trading. Faça suas operações no modo swing trading, enquanto acompanha a dinâmica dos tempos gráficos menores (de preferência, em outro par, para que não tome decisões precipitadas no par em que está operando com dinheiro real).

Todas as técnicas funcionam bem no day trading de FX. Contudo, por ser um mercado bastante dinâmico, é importante que você tenha um conhecimento mais profundo de Price Action (a velha análise gráfica, sem indicadores).  Conhecer suportes, resistências e saber enxergar tendências (topos e fundos ascendentes ou descendentes) será fundamental para sua taxa de acerto.

Determine a tendência nos tempos gráficos maiores (30 minutos, por exemplo) e opere nos tempos menores (15 ou 5 minutos). Desaconselhamos a operação nos tempos gráficos menores do que 5 minutos, basta observar o gráfico de 1 minuto em um par bastante líquido e entenderá esse conselho imediatamente.

A partir dessa base em Price Action, você poderá se valer de indicadores como MACD, IFR, Estocástico, Bollinger e todos aqueles que funcionam bem no mercado de mini-índice. Será útil colocar ao menos um indicador de tendência e um indicador de volatilidade para poder aproveitar as diferentes dinâmicas do preço.  Mas lembre-se: a dinâmica do mercado de FX exigirá stops técnicos. Espremer o stop poderá fazer você sair precipitadamente do mercado por Loss financeiro.

Ah, sim! No Forex, não existe o conhecido Livro de Ofertas. Como é um mercado altamente descentralizado, é praticamente impossível reunir os dados de todos os operadores do planeta em uma única ferramenta.

Você também deve adquirir experiência antes de começar a operar com a "mão mais pesada". Compreender os movimentos do mercado nos diferentes horários ajudará você a tirar maior proveito de cada técnica. Próximo da abertura de um determinado mercado, por exemplo, os preços estão mais voláteis. Assim, estratégias específicas – que não funcionariam adequadamente em outros horários – poderão ser utilizadas nesses momentos.

Tenha também uma estratégia de saída de trades que não deram certo, e procure sair o mais rapidamente possível de uma posição perdedora. Aqui vale o velho conselho: não vire torcedor. Isso quer dizer que você deve ter critérios rígidos de entrada e saída de operações e, no caso de o preço ir contra você, obedeça sua estratégia e corte o trade sem dó. Sua conta bancária agradecerá.

No mais, ficam valendo os velhos conselhos sobre day trading: técnica, gestão financeira, risco e psicologia são os pilares sobre os quais se assenta a consistência. Isso vale para Ações, para Índice, para Dólar, para agrícolas e para FX.

No mercado Forex, as corretoras costumam colocar o seu ganho já no preço de entrada. Isso tem o nome de spread. Portanto, no exato instante em que entra em uma operação, você já começa negativo. Leva-se um tempo até se acostumar com isso.

Portanto, para operações de day trading, procure operar somente os pares de menor spread. E, como o spread varia conforme o horário ou a volatilidade do par, é bom ficar sempre de olho para poder entrar nas operações.