O que são opções – conceitos

Muitas vezes, me pergunto por que nos preocupamos tanto com o futuro... Por que nos apegamos tanto a bens materiais e, especialmente, ao dinheiro? Empregamos frequentemente pronomes possessivos para designar os objetos: minha casa, meu carro, meu telefone celular. E a força desse pronome é proporcional ao seu custo de aquisição. Cada um sabe do seu sacrifício para adquirir um bem.

A verdade é que estamos sempre em busca de garantias. E se eu quebrar? E se eu for roubado? E se eu ficar doente? Quando eu deixar essa vida, quem vai cuidar da minha família? Para atender a essas demandas, compramos planos de saúde e de aposentadoria, seguros de vida, seguro contra roubo de objetos, contra incêndio da casa, garantias estendidas para aparelhos domésticos... Tudo isso na tentativa de mantermos a tranquilidade ao saber que, se algo acontecer, nosso prejuízo será pequeno. Em caso de doença, temos o direito de sermos cuidados por médicos e internados em hospitais de nossa preferência. Se o celular quebrar, temos o direito de solicitar o conserto ou, até mesmo, receber um novo. Se o carro for roubado, temos o direito de receber o valor correspondente de volta. Entretanto, garantias não são livres de ônus, pois, para que tenhamos essa tranquilidade, alguém toma o risco por nós e cobra um preço por isso. É por essa razão que usamos o termo comprar um seguro, ou em outras palavras, comprar o direito de receber o dinheiro de volta, caso meu carro seja roubado ou meu aparelho de telefone celular apresente defeito.

Além do valor desembolsado para comprar esses direitos, há mais três ônus embutidos: