Commodities são mercadorias com grande demanda e que apresentam baixo valor agregado. Pegue, por exemplo, minério de ferro. De modo geral, não se agrega valor ao minério de ferro em si porque o produto não difere muito de um lugar para o outro. Uma chapa de alumínio plana tem um certo valor de mercado. Mas essa mesma placa de alumínio, dobrada, recortada e transformada em uma janela, tem um valor muito maior do que a placa sozinha, antes de ser transformada.

Muitos produtos estão na base da fabricação de quase tudo o que compramos: minério de Ferro, petróleo, cobre, zinco, soda cáustica, carne bovina, milho, soja e café. Como não há muito valor agregado — uma saca de milho produzida em um país não é muito diferente da mesma saca produzida em outro — elas possuem um preço muito parecido no mundo todo. E se o preço variar, variará para todos os produtores daquele produto.

Assim, qualquer variação de preços poderá representar a diferença entre lucro ou prejuízo para o produtor daquela commoditie. E para proteger os produtores e compradores de commodities das variações de preço, é que foram criados os contratos futuros.