Commodities são mercadorias com grande demanda e que apresentam baixo valor agregado. Pegue, por exemplo, minério de ferro. De modo geral, não se agrega valor ao minério de ferro em si porque o produto não difere muito de um lugar para o outro. Uma chapa de alumínio plana tem um certo valor de mercado. Mas essa mesma placa de alumínio, dobrada, recortada e transformada em uma janela, tem um valor muito maior do que a placa sozinha, antes de ser transformada.

Muitos produtos estão na base da fabricação de quase tudo o que compramos: minério de Ferro, petróleo, cobre, zinco, soda cáustica, carne bovina, milho, soja e café. Como não há muito valor agregado — uma saca de milho produzida em um país não é muito diferente da mesma saca produzida em outro — elas possuem um preço muito parecido no mundo todo. E se o preço variar, variará para todos os produtores daquele produto.

Assim, qualquer variação de preços poderá representar a diferença entre lucro ou prejuízo para o produtor daquela commoditie. E para proteger os produtores e compradores de commodities das variações de preço, é que foram criados os contratos futuros.

Contratos futuros são, como o próprio nome sugere, um acordo entre duas partes que trata da negociação de algo no futuro. Imagine que sou um produtor de café que está plantando sua produção cuja colheita se dará daqui a alguns meses. E você é a pessoa que comprará o café de mim, fará a torrefação e venderá sua produção nos supermercados do país.

Como eu não sei o que vai acontecer no futuro, meu maior medo é que, quando eu for colher o meu café, o preço esteja muito baixo e eu receba um valor insuficiente pela minha produção. Talvez, se o preço estiver muito baixo, eu não receba nem o suficiente para pagar meus custos de produção.

Você, que é o dono da torrefação, tem um medo que é exatamente o oposto ao meu. Seu receio é que, quando for comprar o café, ele esteja tão caro que você não tenha margem para negociar o preço de venda com o supermercado.

O que fazemos então? Acordamos um preço que seja justo para ambos, fazemos um contrato e, quando for a época da colheita, eu entrego o café a você pelo preço combinado e você me paga. Como combinamos o preço com antecedência, nenhum de nós terá prejuízo.

Se você entendeu esse mecanismo, certamente compreendeu o conceito de Hedge (proteção), onde as partes não querem lucrar com a volatilidade de um ativo, mas, simplesmente, proteger-se de possíveis variações no preço deles.

No mundo todo, os contratos futuros de commodities são negociados e possuem grande liquidez. No Brasil, embora existam contratos como açúcar cristal e etanol, eles não possuem liquidez suficiente para operações especulativas. Por aqui, os únicos contratos futuros que apresentam uma liquidez razoável são os contratos de Milho, Boi e Soja. A Soja, em particular, é um espelho dos contratos de soja negociados na Bolsa de Chicago. Embora o book de ofertas se apresente bastante vazio, ele, na verdade, reflete as ofertas feitas aqui no Brasil. Mas de fato, toda compra e venda feita aqui é dirigida para Chicago e isso confere uma liquidez muito grande a esses contratos (mesmo com um book aparentemente sofrível).

Por serem direcionais, esses contratos são bastante fáceis de se operar e qualquer setup seguidor de tendência, se bem operado, poderá render bons lucros ao trader. Lembre-se de que operações do tipo day trade são altamente desaconselháveis para essa classe de ativos. O único ativo que suporta operações de day trade atualmente (2020) é o Milho Futuro (CCM), mas, mesmo assim, prefira gráficos a partir de 20 minutos. Tempos gráficos inferiores a isso não são produtivos, além de frequentemente pularem stops.

O Milho possui o menor Stop de todos e o Café apresenta stops bastante grandes, chegando a ser uma commoditie proibitiva para muitos traders.

De todo modo, se você é produtor de milho, boi, soja ou café, encontrará a proteção que necessita para a sua produção. E, se for especulador, poderá obter ótimos lucros nas operações com essas mercadorias.


Você gostou dessa aula? Ela faz parte do Plano TNT, o plano educacional do Portal do Trader desenvolvido para quem quer operar na Bolsa de Valores, mas já entendeu que não existem fórmulas mágicas nem soluções milagrosas para o mercado.

Se já ficou claro para você que o único caminho viável para resultados consistentes na Bolsa é através do conhecimento e do compromisso, então, chegou a hora de conhecer os benefícios do acesso completo ao nosso Plano.

O Plano TNT não possui paralelos em abrangência, profundidade, metodologia e experiência dos professores e oferecemos tudo isso por um preço extremamente acessível e sem fomentar ilusões. Se essa ideia faz sentido para você, descubra agora mesmo tudo o que o acesso completo ao Plano TNT oferece.

Avaliações da aula:
4,9 (191)
assista o vídeo até o fim para avaliar

Publicação: 24/09/2020 15:00
Atualização: 08/10/2020 10:41