Você já ouviu falar em Trader ou Operador Esportivo? Com alguma frequência, recebo dúvidas sobre trading esportivo; por isso, falarei sobre o assunto do ponto de vista de um trader do mercado financeiro. É muito importante deixar claro que não tenho a intenção de fazer nenhum tipo de apologia, tampouco condenar as práticas de quem busca ganhar dinheiro em cima de uma luta, uma corrida ou jogo de futebol. O objetivo aqui é deixar clara a diferença gigantesca entre os dois mercados, que eventualmente são confundidos por conta de termos e expressões semelhantes. Dito isso, resumindo, um trader esportivo é um apostador que atua principalmente por meio de casas de apostas on-line (sportingbet, betonline, betfair, bet365 etc). É importante reforçar desde já que o trading esportivo não tem absolutamente nenhuma correlação com os negócios de bolsa de valores. Então, para simplificar, falarei a seguir de três tópicos básicos que diferenciam o mercado de capitais do mercado de apostas esportivas.

  1. Sistema de negociação. O sistema de uma casa de apostas é totalmente diferente dos sistemas de bolsa de valores. De modo geral, “casar” uma aposta é relativamente mais simples do que registrar um negócio no mercado acionário, pois, no segundo caso, é preciso identificar precisamente quem está executando a ordem. Os negócios em bolsas de valores começaram há séculos atrás e, com o passar do tempo, foi criada uma série de procedimentos de segurança para: padronizar os ativos negociados, honrar os compromissos assumidos nos negócios, evitar esquemas de lavagem de dinheiro, proteger os investidores de títulos falsificados, tributar as negociações realizadas, regular as operações do ponto de vista legal, entre muitas outras finalidades. Por isso, surgiram complexos sistemas de liquidação e custódia, pois, quando um investidor compra uma ação, está adquirindo um bem (um pedacinho daquela empresa, que pode dar direito a dividendos, entre outros benefícios) ou o direito/obrigação de exercer algum negócio futuramente. Nesse sistema financeiro, é possível saber exatamente quem comprou de quem, pois cada negociação realizada possui um código de identificação, enquanto os sistemas de apostas fazem um balanço geral entre os montantes apostados. Outro ponto é o processo de abertura de conta em um banco ou corretora de valores que, por mais simples que esteja hoje em dia, ainda é mais rigoroso se comparado a um cadastro em sites de apostas. Os aportes de dinheiro em corretoras e bancos precisam ter origem reconhecida, através de transferência bancária, enquanto nas casas de apostas é possível utilizar um cartão de crédito. Existem muitos outros pontos a serem abordados, mas até aqui já podemos concluir que os sistemas de bolsa de valores são mais burocráticos (porém mais seguros e confiáveis) que aqueles empregados em sites de apostas, visando a respeitar protocolos e regulamentações governamentais. Isso oferece uma segurança ao investidor para aportes maiores, como veremos mais adiante.
  2. Natureza do ativo. Se você comprar uma ação e esquecer dela por longos anos, quando voltar a checar sua conta na corretora, poderá se deparar com um patrimônio multiplicado (isto é, se a empresa progredir e seu valor de mercado aumentar). Já nas apostas esportivas, seu dinheiro precisa ser constantemente “trabalhado”, ou seja, se não houve eventos, não há aposta, e seu dinheiro fica parado. Em outras palavras, as apostas esportivas exigem atuação ativa por parte do “operador” enquanto, nos investimentos, é plenamente possível encontrar produtos em que o investidor praticamente não precise intervir no processo para gerar ganhos recorrentes (ainda que sejam ganhos percentualmente menores do que nas apostas).
  3. Técnicas e táticas de análise. Não há dúvidas de que existem técnicas para apostar bem. Uma pessoa com profundo conhecimento em esportes tem alguma vantagem em relação a um leigo que aposta aleatoriamente ou movido pelas emoções em relação ao seu time favorito. Por exemplo, vamos considerar dois times de futebol que irão se enfrentar em um final de campeonato. Nesse caso, é provável que tanto a composição dos times (nível, histórico, habilidade individual e idade dos jogadores e técnicos), como a situação de cada um naquele momento (jogadores suspensos, nível de entrosamento, resultados de partidas recentes, ranking etc.) possam ter alguma influência no resultado da partida. Contudo, o volume de apostas não interfere no resultado final do jogo em si, diferentemente dos fluxos de negócios em bolsa de valores que interferem diretamente nos preços ofertados. No mercado de opções, por exemplo, essa característica é essencial para determinar o exercício dos direitos e obrigações negociados. Já no mercado de apostas, se a maioria acredita que o time A vai vencer, por maior que seja o volume apostado, isso não tem efeito algum no resultado do jogo. Além disso, o mercado de apostas não gera indicadores macroeconômicos, gráficos de candle, balanços trimestrais, entre outros tópicos comuns para traders do mercado de capitais.
  4. Legislação. No Brasil o “mercado de apostas” não é regulamentado. Pelo contrário, algumas leis até condenam as apostas (exemplo: artigo 50 da lei nº 3.688 e artigo 37 da lei nº 13.155, pertencente à medida provisória nº671, conhecida como “a MP do futebol”), mas existem algumas brechas (como o artigo 62 da constituição, que diz que uma medida provisória não pode editar matéria de direito penal) que permitem ao brasileiro apostar sem ser considerado um criminoso. Resumindo, por um lado, não há casas de apostas no Brasil, mas, por outro, você não corre o risco de ser preso, nem multado, se apostar em casas/sites internacionais. Contudo, é importante deixar claro que não existe nenhuma instituição governamental que irá garantir os seus direitos se houver algum problema com as casas de apostas. Já o mercado de capitais é devidamente regulado pelas autoridades brasileiras e os profissionais que atuam nesta área são devidamente certificados por órgãos ligados à CVM (Comissão de Valores Mobiliários – uma entidade autárquica vinculada ao Ministério da Fazenda com a finalidade de disciplinar, fiscalizar e desenvolver o mercado de valores mobiliários).

Só esses 3 tópicos dariam temas para discussões longas e detalhadas, mas, como expliquei antes, a intenção é apenas deixar claro que se trata de atividades totalmente distintas, sem qualquer correlação. E para fechar o assunto, aqui no Portal do Trader, a abordagem é totalmente focada no mercado de capitais, sem nenhuma pretensão de oferecer qualquer serviço ou curso voltado para o mercado de apostas esportivas. Agora que você entendeu a diferença, sigamos de olho no mercado de capitais.