Gerenciando o seu risco

Agora que você tem uma noção melhor sobre o mindset e aspectos mentais necessários para o mini dólar, além de já entender que ele se encaixa melhor para o day trade, chegou a hora de falarmos um pouco mais sobre gestão de risco. Mas antes, gostaria que você refletisse sobre: você sabe dimensionar o tamanho do seu stop, metas e limites de perda diária, além do tamanho do lote por operação? Parte da gestão de risco no Day Trade está relacionada com o capital que você reservou para essa finalidade; portanto, você sabe dimensional esse capital? Se ainda não tem essas respostas, não se preocupe, pois vamos entender um pouco mais sobre esse assunto agora.

O primeiro ponto que quero abordar é sobre margem de garantia, pois ela pode ser uma verdadeira armadilha. Com a baixa margem de garantia exigida para o mini dólar, muitos traders acabam operando sem uma "gordura" financeira para cobrir eventuais perdas. Outro erro comum é reservar um capital pensando em um curto prazo de atuação, quando seus resultados deveriam ser medidos mensal ou semanalmente, pelo menos. O dimensionamento desse capital é importante, pois, se for a menos, a corretora pode encerrar a sua operação por falta de margem. Se tiver capital em excesso, pode se sabotar e perder mais do que deveria (e acredite, isso é bem mais comum do que se pode imaginar!).


Para definir a sua margem operacional, você precisa saber a margem exigida pela corretora por cada contrato no day trade e quanto você pode perder no dia. Aliás, aqui esbarramos na segunda dificuldade, que é a definição dos limites de perda e metas de ganho, consequentemente. O que eu normalmente recomendo é que esse limite não seja fixo, pois nosso desempenho, assim como o próprio mercado, é dinâmico. Em outras palavras, todos nós passamos por períodos de ganhos (quando vale a pena aumentar as metas) e períodos de perdas (quando precisamos diminuir as metas, até mesmo para readequarmos nossas expectativas). Por isso, costumo calcular minhas metas e limites financeiros em função dos meus resultados médios recentes, assim tenho uma métrica precisa e objetiva orientada por resultados e não por "achismo".

Além disso, já que estamos falando de metas e limites de perda, é importante definirmos a quantidade de lotes a serem operados. Não pode ser muito alto a ponto de um único stop nos tirar do jogo, nem tão baixo, de tal forma que nos impossibilite de atingir nossas metas. Percebe como está tudo interligado?

Não seria ótimo ter uma metodologia clara que pudesse definir cada um desses parâmetros de forma objetiva? Foi pensando nisso que desenvolvi uma planilha que, baseada em seus próprios resultados, calcula a quantidade de lotes que você pode operar por pregão, a meta financeira e o limite de perda, além da margem exigida para este pregão. Essa planilha é compartilhada exclusivamente com os alunos do programa de formação de traders do Portal, mas acredito que aqui nessa aula você já tem uma leve noção de como esse raciocínio funciona.
Uso essa metodologia há mais de 10 anos para gerir meu risco no day trade e digo, por experiência própria, que esse tipo de controle faz toda a diferença na gestão de risco do dia a dia.