Operando Ações: Gerenciamento de Risco

Gerenciamento de Risco talvez seja o assunto mais negligenciado pelo trader, independentemente da modalidade (Day Trader, Swing ou Position). Os primeiros passos de um trader costumam ser o método operacional, enquanto o processo devesse ser o inverso. Não são poucas as histórias de pessoas que quebraram na bolsa, por não fazerem a gestão do risco de forma correta. O que vai tornar o trader um sucesso é a sua capacidade de gerenciar o risco!

Se a operação com ações for maior do que a sua capacidade de perder, você pode sofrer algumas consequências trágicas, entre elas:

- Espiral Negativa: você teve algumas operações de perda e agora está buscando recuperar o capital perdido aumentando o tamanho da operação, ou seja, aumentou o fator financeiro. A questão é que, nessa situação, as perdas ainda podem acontecer, só que serão maiores que antes. E, se acontecerem, o trader continua "aumentando a mão" até quebrar. Eu já vi esse filme!

- Alavancagem excessiva: apesar de ter reservado uma parte do capital para operar, acabou perdendo tudo em um dia ou em uma única operação. Não tendo a chance de aprender mais sobre o mercado ou de entrar em uma outra operação que poderia ter gerado ganho.

Já parou para pensar que os fundos de ações mais renomados contam com uma área de risco? Por que o trader não deveria se preocupar com isso também?

Vamos a algumas dicas que podem ajudar nestes primeiros passos:

  • Em nenhuma hipótese, entre em uma operação em que você pode perder mais do que 2% da sua carteira de investimentos! Isso é muito importante! Independentemente da forma de operar, perdas acima desse patamar em uma única operação devem acender o sinal de alerta!
  • Em operações de Swing Trade, se tiver o perfil mais agressivo, comece com até 10% do capital para as operações.
  • Em operações de Position, não ultrapasse os 30% da carteira de investimentos inicialmente.

Vamos as operações… mas gerenciando o risco!