ON versus PN

Antes da entrada definitiva da tecnologia, as ações eram impressas pela Casa da Moeda em um papel especial, que dificultava falsificações, já que valiam dinheiro e podiam ser trocadas por moeda em qualquer instituição financeira ou corretora.

Algumas dessas ações eram emitidas sem o nome do seu titular impresso naquele papel. Portanto, eram como uma cédula de dinheiro, ou seja, quem estivesse de posse daquilo era o dono. Isso colocava em risco o titular daquelas ações, que tinha que guardá-las em um local bastante seguro, como um Banco ou um cofre dentro de casa.

Essas ações eram classificadas como títulos ao portador.

Havia outras, que tinham o nome de seu titular escrito naquele papel e, toda a vez que aquelas ações mudassem de dono, tinham que ser reimpressas com o nome do novo titular. Muito mais seguras, elas diminuiam o risco de roubo, já que teria que haver um procedimento formal para a mudança de proprietário. Como essas ações estavam em nome do proprietário, eram chamadas de nominativas.

Hoje, como todas as ações são escriturais, ou seja, não existe um papel físico impresso, mas, em seu lugar, apenas um registro armazenado nos computadores da Bolsa, todas as ações são nominativas.

Por isso as classes de ações – ON e PN – têm aquela letra N no final.

Mas o que são as letras O e P?

A letra O se refere às ações Ordinárias, que são aquelas que dão direito a voto nas assembleias de acionistas da empresa.

Se você tiver ações de uma empresa, poderá comparecer às assembleias e votar contra ou a favor das decisões que aquela assembleia colocar em votação. Obviamente o peso do seu voto será proporcional à quantidade de ações que você tem em seu poder. O voto de um investidor que tenha mais ações que você valerá mais que os seus votos.

Já deu para notar que, se você comprar ações Ordinárias e conseguir adquirir muitas ações, será capaz de ter o controle da empresa, caso ninguém tenha mais ações do que você.

As ações Preferenciais – as que têm a letra P – na maioria dos casos, não dão direito a voto (a menos que essa possibilidade esteja especificada no estatuto da empresa), mas têm preferência no recebimento de dividendos, que é aquela parte do lucro da empresa que é distribuída aos acionistas.

Por essa razão, veja que a maioria das ações são ON ou PN.

As ações preferenciais podem ainda ser divididas em classes, como A, B, etc. Assim, você poderá encontrar ações chamadas de PNA, PNB e assim por diante.

Essas classes são designadas por números como 5, 6, etc. É por isso que você encontra nomes como USIM5 (Usiminas PNA) e ELET6 (Eletrobras PNB).

Há ainda as famosas Units – empresas cujos códigos terminam em 11, como SANB11 (Santander) e KLBN11 (Klabin). Essa classe designa um "pacote" formado por uma ou mais ações de cada tipo (ON e PN). Não há uma regra para essa distribuição e, para saber o que tem dentro de cada Unit, será necessário consultar o Estatuto da empresa.

Aos poucos, vamos nos acostumando com todas essas nomenclaturas e aprendendo o que cada classe de ação significa e como isso impacta em nossos investimentos.