Prazo Operacional

Investimento ou especulação? Ou os dois? Decisões sobre estratégias de enriquecimento normalmente são difíceis. Afinal, existem muitas variáveis envolvidas que podem definir o nosso futuro. Como o futuro é desconhecido, procuramos nos municiar da maior quantidade de informação possível para escolher o caminho que, no momento, nos pareça o mais correto.

Felizmente, há muita informação disponível, não apenas das técnicas utilizadas para se investir como também depoimentos de pessoas que alcançaram seus objetivos.

De todo modo, enriquecer é um processo lento. A única maneira de enriquecer verdadeiramente em um curto prazo é acertando algum concurso milionário. Exceto esses poucos afortunados que conseguem, para a maioria das pessoas o que resta é a paciência, a disciplina e o tempo.

Quando falamos em tempo de investimento, nos referimos basicamente ao prazo operacional, ou seja, por quanto tempo durará nosso investimento.

No mundo das ações, é possível ficar com um papel por alguns minutos e vendê-lo; ou algumas horas, dias, meses, anos ou, até mesmo, comprá-las para deixar como herança para os nossos filhos.

Cada prazo operacional exigirá uma metodologia específica, desde a forma de análise – técnica ou fundamentalista – com já vimos, o controle de risco, a política de reinvestimento, de mitigação de riscos e composição de carteira.

Prazos operacionais de curtíssimo prazo são chamados de day trade, que é a operação que começa e termina dentro de um mesmo dia, por exemplo, digamos que você compre ações de Lojas Renner (LREN3), fique com elas por uma ou duas horas, e as revenda com lucro antes do encerramento do pregão.

As operações de day trade são normalmente bastante alavancadas e permitem ganhos extraordinários. Mas, se possibilitam ganhos, também possibilitarão perdas da mesma ou de maior magnitude.

Operações desse tipo costumam afetar nossas emoções e, dependendo da forma como são realizadas, podem prejudicar nossa tomada de decisão.

Por isso, para quem deseja especular o mercado fazendo operações de day trade, a indicação é de que isso seja uma atividade em tempo integral, pelo menos no início. O day trade acaba então se transformando em uma profissão, que, como qualquer outra, apresenta obrigações, alegrias, tristezas, rotina, horário, controles e tudo o que qualquer profissional de outras áreas enfrenta.

Os ganhos podem ser muito altos, assim como as perdas. É uma profissão bastante arriscada e nem é considerado um investimento. E não é porque ninguém fica rico fazendo day trade. É possível ganhar muitíssimo bem, mas isso ainda não significa riqueza.

Quer uma medida de riqueza? Pergunte-se: se eu parar de trabalhar hoje e nunca mais puder voltar a ter uma atividade remunerada, quanto tempo durará o dinheiro que eu tenho?

Se sua resposta for "minha fonte de renda proveniente dos meus investimentos nunca acabará" então você pode afirmar que está rico(a). Mas, se você fizer as contas e perceber que seu dinheiro termina antes de sua expectativa de vida, então não poderá afirmar que alcançou a riqueza.

Riqueza é, portanto, advinda de um patrimônio que, além de crescer, proporciona uma renda passiva eterna, mesmo que você nunca mais trabalhe em uma atividade formal.

A vantagem do day trade é que você poderá obter uma renda bem maior do que aquela que necessita para viver e, com o excedente, investir durante anos na construção do seu patrimônio.

Isso você poderá fazer com a ajuda dos tempos operacionais maiores como o swing trade e o position trade. A diferença entre eles é que os investimentos feitos na modalidade swing trade são mais curtos do que os feitos na modalidade position trade.

No swing trade, as operações costumam durar de dois dias a uma ou duas semanas no máximo. No position trade, as operações são mais lentas, usam técnicas mistas de análise técnica e fundamentalista, e costumam durar de alguns meses a alguns anos.

Diferentemente dos anteriores, a modalidade Buy & Hold (compre e mantenha, em uma tradução livre do inglês) é aquela usada por quem quer se tornar sócio das empresas, comprando as ações sem a intenção de vendê-las.

Um investidor nessa modalidade só vende suas ações se os fundamentos da empresa se deterioraram. Se uma empresa perde mercado por falta de inovação tecnológica, por má gestão ou porque seus produtos ficaram obsoletos (quem ainda usa máquinas de escrever?), o investidor vende aquelas ações assim que percebe sinais de que a empresa não poderá mais se recuperar. Esses sinais demoram a acontecer e o investidor costuma levar por volta de um ano até tomar a decisão de deixar aquela empresa e trocar por outra de melhores fundamentos.

Curto, médio ou longo prazo, a escolha irá depender de seu perfil operacional, capital disponível para investir, objetivos financeiros e preferência metodológica, mas independentemente da escolha, se você quiser ficar rico de fato – e isso pode demorar pelo menos uma ou duas décadas – fará operações de Buy & Hold, mesmo investindo seu dinheiro em outras modalidades operacionais.