A Bolsa e os Índices

A história das Bolsas remonta há muitos séculos. Acredita-se que a primeira Bolsa que surgiu no mundo, como um local em que pessoas e comerciantes se reuniam para realizar atividades de compra e venda de participações em empresas, foi na cidade de Bugres na Bélgica.

Entretanto, as compras e vendas de participações representadas por Ações aconteceram somente em 1602 na Bolsa de Amsterdã, onde eram comercializadas Ações da Companhia das Índias Orientais.

A Bolsa brasileira, na época chamada Bolsa Livre, foi fundada por Rangel Pestana no dia 23 de agosto de 1890.

De lá para cá, muita coisa mudou e o mercado de capitais evoluiu para aquilo que hoje conhecemos.

Se, no início, havia diversas Bolsas espalhadas pelo Brasil além da Bolsa de Mercadorias e Futuros, hoje temos apenas uma empresa verticalizada que cuida de todo o ciclo dos negócios que ocorrem no mercado de capitais.

E o que faz exatamente uma Bolsa de Valores?

Ela fornece um ambiente de negociação que cuida de todas as etapas entre a compra e a venda de qualquer ativo, inclusive sua custódia. Além disso, ela atua como contraparte em todas as operações.

Quando Beatriz vende suas PETR4 à Leonardo, ela está, na verdade, vendendo à B3, que cuidará para que Leonardo receba suas ações e que pague por elas. A B3, então, repassa as ações da Beatriz para o Leonardo, e repassa o dinheiro do Leonardo para a Beatriz.

A vantagem desse processo é que tanto Beatriz como Leonardo terão absoluta certeza de que seus negócios serão concretizados.

Digamos que você venda suas ações a alguém e essa pessoa, por um motivo qualquer, não honre com seu compromisso em pagar por aquela compra, a B3 pagará o dinheiro a você e, depois, cuidará de receber o dinheiro da pessoa que não pagou.

Isso dá a todos os investidores a credibilidade para que efetuem seus negócios com tranquilidade, pois saberão que receberão os ativos comprados ou o dinheiro dos ativos vendidos.

Além disso, a Bolsa não vive apenas da intermediação entre compradores e vendedores. Ela também presta serviços de transmissão e disponibilização de dados, venda de informações e muitas outras atividades. Além disso, é também uma das empresas listadas na própria Bolsa, ou seja, se quiser, você poderá negociar ações da B3. Você as encontrará em seu Home Broker com o nome B3SA3.

Para ajudar investidores de todo o mundo a avaliar seus investimentos, ela criou diversos índices que são muito utilizados como referência para os investimentos.

Quando você, por exemplo, investe em renda fixa, sua referência é o CDI ou a taxa SELIC. Na renda variável, utilizamos o índice Bovespa ou IBOV, como é mais conhecido.

O IBOV é uma carteira teórica, não é um ativo financeiro em si que qualquer um pode negociar. Ou seja, não se pode comprar um IBOV na Bolsa. Ele é basicamente uma carteira teórica, uma grande planilha com diversos ativos dentro, cada um com um percentual de participação definido por critérios rigorosos que somados mostram a movimentação relativa daquela carteira, que tem o objetivo de sintetizar os movimentos do mercado como um todo.

Quando foi criado em 3 de janeiro de 1968, o índice tinha um valor de 100. Atualmente, em janeiro de 2019, esse índice está valendo perto de 100.000 pontos, um crescimento de 1.000 vezes.

Mas existem mais de 20 índices criados pela B3, e que podem ser consultados para os mais diversos fins. São divididos entre índices amplos, índices setoriais, por governança, por segmento de mercado e outros, você encontrará o índice que mais se aplica à sua necessidade para usar como referência para seus investimentos.

Os índices amplos são, como o nome sugere, mais genéricos e servem como referência para Fundos de investimento em renda variável ou mesmo carteiras de ações diversificadas.

Os índices setoriais ajudam o investidor que possui ações em um setor específico a saber como sua ação está desempenhado em relação ao conjunto de empresas concorrentes.

Há ainda índices de empresas de boa governança, índices que reúnem ações de empresas sustentáveis e ecologicamente corretas, além de outros, como o que mede o desempenho dos Fundos Imobiliários, Commodities e até de empresas de outros países negociadas no Brasil sob a forma de BDRs.

Todo investidor de longo prazo precisa eleger um índice que servirá como referência para o desempenho de sua carteira. Dessa forma, será capaz de fazer os ajustes necessários ao longo de todo o período de investimento.