Como uma onda, ou melhor, várias

Um dos princípios fundamentais da Teoria de Dow é aquele que afirma: o mercado move-se em tendências.

E como reconhecer uma tendência? Bem, a resposta é bastante simples:

Uma tendência de alta se caracteriza pelo desenho, no gráfico e em qualquer tempo gráfico, de topos e fundos ascendentes. Dessa forma, o desenho deixado no gráfico será algo parecido com um zigue-zague imperfeito que respeitará esse princípio dos topos e fundos ascendentes.

Por outro lado, uma tendência de baixa se caracterizará pelo desenho, no gráfico e em qualquer tempo gráfico, de topos e fundos descendentes. Dessa forma, o desenho deixado no gráfico será algo parecido com um zigue-zague imperfeito que respeitará esse princípio dos topos e fundos descendentes.

Na época em que a Teoria de Dow foi criada, eles obviamente não tinham computadores para agilizar a coleta de dados do mercado. Por isso, os livros mais antigos de análise técnica sempre mostram gráficos diários, ou seja, gráficos em que cada candle representa um dia inteiro de negociação. Esse era o menor tempo gráfico que os investidores utilizavam para tomar suas decisões.

Acima disso existiam apenas os gráficos semanais, mensais e anuais, para que pudessem acompanhar longas tendências.

Mas Charles Dow percebeu que os gráficos se comportam de maneira fractal, ou seja, os padrões se repetem independentemente de que tempo gráfico seja considerado.

Assim, uma determinada perna de alta de um zigue-zague desenhado em um tempo gráfico maior era composta de zigue-zagues em um tempo menor. E este também possuía pernas de alta e de baixa que se constituíam de zigue-zagues em tempos menores.

Foi então que ele compreendeu que, em todos os mercados, as grandes tendências são em número de três:

  • Primária: os preços movimentam-se formando topos e fundos ascendentes quando em tendência de alta e, ao contrário, topos e fundos descendentes quando em tendência de baixa. Nesse movimento, o gráfico mostrará pequenas correções formando um padrão visual de zigue-zague. Independentemente de sua direção, a tendência primária é de longo prazo, podendo perdurar por mais de um ano.
  • Secundária: dentro de cada trecho da tendência primária, o gráfico mostrará um padrão de zigue-zague menor, com trechos a favor e contra a tendência primária. Sua duração será, em média, de 3 semanas a poucos meses.
  • Terciária: como em um movimento fractal, o gráfico mostrará movimentos de zigue-zague menores dentro da tendência secundária. De curta duração, esse movimento raramente perdurará por mais do que 3 semanas.

Esse princípio continua válido até os dias de hoje e o trader que decidir trabalhar com position trading poderá utilizar esse conhecimento com bastante vantagem.

Felizmente, o princípio é imutável para qualquer tempo gráfico. E também felizmente temos computadores. Então, como o mercado se comporta de maneira fractal, poderemos transportar a ideia de uma tendência primária, uma secundária e outra terciária para qualquer conjunto de tempos gráficos que queiramos utilizar.

É por essa razão que você invariavelmente vê pessoas utilizando três tempos gráficos na tela de seu computador. Como, por exemplo, 15 minutos, 5 minutos e 2 minutos.  Ou ainda, 60, 15 e 5 minutos. O tempo gráfico maior seria a tendência primária do intraday, o intermediário seria a tendência secundária e o tempo menor seria a tendência terciária.

Vemos, portanto, que a Teoria de Dow se aplica até hoje nos mercados e pode ser utilizada para qualquer ativo que se queira operar, desde o clássico mercado de ações, passando por futuros de índice, dólar, juros ou futuros agrícolas, como boi, milho e café.

Tendências em Análise Técnica