Tempos gráficos – a escolha é sua

Se você já manuseou uma plataforma de trading, percebeu que algumas delas oferecem muita flexibilidade para mostrar gráficos em quaisquer intervalos.

Desde o gráfico de ticks, em que um candle é formado a partir de uma quantidade de negócios determinada pelo trader, até os gráficos por tempo, é possível dispor os negócios realizados no mercado em qualquer tempo.

Assim, você pode operar em gráficos de 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7...15, 17, 29, 71... ou qualquer outro tempo gráfico que imaginar. O mercado convencionou que os tempos mais comuns são os de 1, 2, 4, 5, 10, 15, 60, 120, 240, diário, semanal e mensal, mas você é livre para escolher qualquer outro tempo gráfico que quiser.

A escolha recairá, obviamente, no seu perfil operacional. Se você é um scalp trader, certamente, jamais utilizará o gráfico de 60 minutos em suas operações, assim como, se você realizar operações de swing trading, não fará seu trailing stop pelo gráfico de 1 minuto. Para o scalper, gráficos de 2 e 5 minutos se mostram bastante adequados, e para o swinger, gráficos de 60 minutos  e diários oferecem melhores respostas.

A escolha também poderá ser determinada pelo tipo de ativo que você opera. Por exemplo, o contrato futuro de índice é um ativo bastante volátil e operações em gráficos menores do que o de 5 minutos tendem a violinar muito mais, o que deixa vulneráveis as operações em que o stop é muito curto.

O fato é que, quanto menores os tempos gráficos, menos confiáveis são os sinais da análise técnica e isso ocorre justamente por causa dos movimentos bruscos realizados pelos grandes player.

A prática tem mostrado que, quanto maiores os tempos gráficos, maior a taxa de acerto da maioria dos setups. Um setup de inside bar, por exemplo, funciona muito melhor em um gráfico semanal do que em um gráfico de 1 minuto. Isso acontece porque os tempos gráficos maiores têm espaço para filtrar melhor a volatilidade dos ativos.

Ressaltamos que você é livre para escolher o tempo gráfico que preferir, que mais de adeque ao seu jeito de operar, ao seu emocional e à sua disponibilidade de tempo. Mas independentemente daquilo que escolher, é fundamental que você teste.

Faça backtests de seu setup pelo maior tempo possível. Avalie a taxa de acerto, anote tudo em uma planilha. Gaste muitas horas nisso – sua conta bancária irá agradecer.

Depois dos backtests, é hora de ir para uma conta demo, testar na prática se tudo o que você definiu em seu setup funciona para aquele tempo gráfico. Teste em outros tempos gráficos, maiores e menores, procurando anotar tudo e calculando onde você obtém os melhores resultados.

Somente depois disso – sim, leva bastante tempo, ninguém vira trader em apenas um mês – você deve ir para a conta real, operar com dinheiro de verdade. Mesmo assim, opere com o lote mínimo, porque agora entram outras variáveis como seu emocional (afinal, se perder, perde dinheiro de verdade).

Quando estiver confiante no funcionamento do seu setup e satisfeito com o tempo gráfico utilizado, é hora de praticar o gerenciamento financeiro para aumentar o tamanho de sua mão com segurança.