Análise Técnica com Indicadores

A análise técnica é a evolução do Price Action, é uma consequência imediata. A análise gráfica passou por uma revolução tecnológica: na primeira metade do século XX, os analistas utilizavam folhas quadriculadas e marcavam os pontos à mão e, a partir disso, deduzia as perspectivas que a ação do preço apontava. Conforme as plataforma de informação passaram a ser automatizadas e os computadores tornaram-se acessíveis, foi possível realizar cálculos complexos em pouco tempo. A partir dos movimentos e da ação do preço, é possível calcular o que chamamos de indicadores técnicos

O mais famoso e mais utilizado indicador técnico é a Média Móvel, que calcula o preço médio de negociações dos últimos períodos. Sempre que entrar um novo retorno (neste caso, de preços), o mais antigo será excluído. Um exemplo, se um dia o preço de determinada ação foi negociado a R$14,15; no dia seguinte, a R$14,20 e, no terceiro dia, fechou a R$14,40, a média móvel de três dias estará em R$ 14,25. Se, no dia seguinte, o preço fechar em R$14,50, a média móvel passará para R$ 14,37, e assim por diante. Imagine ter que calcular médias móveis de 100 ou 200 períodos todo os dias à mão!

De maneira geral, existem dois tipos de estratégias de atuação no mercado: estratégias com indicadores seguidores de tendência, que funcionam bem em mercados direcionais e estratégias com osciladores, que buscam reversão, para atuar em mercados laterais. Não há estratégia melhor ou pior, cada um tem suas especificidades e buscam um tipo diferente de movimento.

Apesar de ser o indicador técnico mais conhecido, médias móveis não são os melhores indicadores para day trade. Outros indicadores derivados de médias móveis podem ter sinais mais confiáveis e mais rápidos. No daytrade, timing é tudo! O cruzamento de médias móveis ou mesmo o cruzamento dos preços na média, estatisticamente não traz os melhores resultados com gráficos de 5 ou 15 minutos. Um indicador interessante para seguir tendência intradiária é o HiLo, que é graficamente plotado como uma "escada" verde ou vermelha, indicando compra e venda, respectivamente.

De outra maneira, também são muito válidas estratégias de reversão de tendência e exaustão de movimento. Para identificar esses pontos, utilizamos os osciladores. Esses indicadores podem derivar de diversos tipos de cálculos com relação à movimentação do preço e também do volume. Os osciladores variam de 0 a 100, nunca ultrapassando esses patamares, e o mais famoso deles é o índice de força relativa ou IFR. A força relativa, neste caso, é de compra e venda: quando o oscilador aponta níveis acima de 80, indica que os preços estão sobre comprados e, portanto, podem-se buscar oportunidades na venda. Quando o IFR aponta níveis abaixo de 20, os preços estariam sob vendidos e haveria oportunidade na compra.

Para encerrar, vale destacar que nenhum indicador é infalível, que aponta sempre uma entrada com 100% de eficiência, cada um tem suas virtudes, mas também suas falhas. Por isso, daytraders utilizam uma combinação de indicadores técnicos, ou uma combinação de indicadores com padrões gráficos ou padrões de candles. Determinados padrões de preço, combinados com indicadores que apontam entrada, são chamados de Setups, que, aliás, é o próximo tópico que abordaremos neste curso de Day Trade.