Plataformas e Roteamento

O mercado hoje está muito acessível e democrático devido à radical mudança com a extinção do pregão viva-voz. Em filmes e reportagens mais antigos sobre a Bolsa de Valores, é retratada aquela gritaria nos chamados pits de negociação, ou seja, a negociação ocorria presencialmente com operadores de corretoras ou mesmo traders autônomos fisicamente apregoando as intenções de compra e venda. Hoje o pregão é totalmente eletrônico, os pits deram lugar aos enormes processadores e servidores que garantem o fluxo de ordem apregoadas e negócios realizados.

Dessa maneira, o acesso ao mercado hoje é por meio de plataformas de negociação das corretoras de valores. Comentamos que ter conta em corretora de valores é requisito básico de um trader, pois somente as corretoras têm e dão acesso ao ambiente de mercado para os traders.

Ao tomar a decisão de realizar uma operação, o trader preenche sua ordem de compra e venda – a chamada boleta no linguajar de mercado – e dá o comando para enviar a ordem para a Bolsa. A ordem, portanto, é recepcionada pela corretora e imediatamente enviada para a Bolsa, caso preencha os requisitos básicos (ordens muito longe do atual preço de mercado podem ser rejeitadas devido aos chamados "túneis de negociação"), é enviada ao livro de ofertas onde fica aberta a todos. Vale ressaltar que, no Brasil, ao contrário de alguns mercados, trabalha-se com o livro aberto, ou seja, pode-se saber qual o player – banco ou corretora – que está colocando determinada ordem com um número específico de lotes.

Esse processo de envio de ordem, do momento em que sai de seu computador, passa pela corretora e entra na Bolsa, pode ter certa latência, alguma demora, ainda que de centésimos de segundos. Por isso, também, algumas corretoras oferecem o DMA ou Direct Market Access, no qual sua ordem é enviada diretamente à bolsa e não passa pela corretora. Isso acelera o processo de envio de ordem e pode, eventualmente, conseguir um lugar melhor na fila de ordens, seja de compra ou de venda. Para prazos operacionais maiores – swing e position trading –, o acesso direto ao mercado não traz grandes vantagens, mas no day trade pode fazer a diferença entre você pegar o preço que deseja ou ver os preços correrem a seu favor e não ter conseguido enviar a ordem a tempo.

Finalmente, para algumas plataformas gráficas que utilizamos em nosso dia a dia, há a possibilidade de envio de ordens pelo próprio gráfico. É o que denomina-se chart trading, ou seja, você consegue enviar ordem de compra e venda, posicionar alvos e stops e mesmo mudar os preços das ordens por comandos no próprio gráfico. Ao contrário do chart trading, o processo normal de um day trader é fazer suas análises por uma plataforma gráfica e enviar as ordens pelo Home Broker da corretora, a plataforma de envio de ordens. Assim, pode agilizar também o envio de ordens, ao não precisar preencher a boleta em toda operação.