Como uma onda no mar

Junto com a Teoria de Dow, as famosas ondas de Elliott compõem um dos princípios basilares da análise técnica. Criado por Ralph Nelson Elliot na virada do século XX, ele fundamenta-se na psicologia do mercado, propondo que os preços desdobram-se ao longo do tempo em padrões específicos formando ondas, fato que ajudou a popularizar esse princípio pelo nome de Ondas de Elliott.

Segundo essa teoria, os investidores, coletivamente, movem-se em função do otimismo ou pessimismo em sequências naturais ao longo do tempo, obedecendo a uma espécie de psicologia de massa.

Independentemente do tempo gráfico considerado, os preços movem-se em ondas impulsivas e corretivas. Assim, em uma tendência de alta, os preços sobem até certo ponto, retrocedendo um pouco para, em seguida, retomar a tendência anterior, desenhando, então, ondas em formato de zigue-zague no gráfico. Esse movimento continua até que a sequência é revertida.

Para facilitar o reconhecimento de cada fase de desdobramento dos preços, Elliott atribui nomes às ondas. Dessa forma, uma onda impulsiva seria subdividida entre ondas 1, 2, 3, 4 e 5 tomadas em conjunto. Isoladas, as ondas 1, 3 e 5 seguiriam a favor da tendência principal e as ondas 2 e 4 seriam ondas de correção dentro dela.

Após esse ciclo, o preço da tendência principal se corrige, realizando uma reversão que também é dividida em ondas: A e C a favor da reversão, e onda B como correção da onda A.

Visualmente temos:

Ondas de Elliot

Fonte: "The Basis of the Wave Principle," October 1940, R.N. Elliott

A partir da imagem anterior, podemos perceber que as ondas de Elliott formam um padrão fractal que se repete indefinidamente qualquer que seja o tempo gráfico considerado.

A ideia por trás desse conceito é que, se soubermos identificar corretamente a fase de desenvolvimento dos preços, saberemos antecipar seu próximo movimento.

Esse princípio também ajuda a compreender porque, mesmo em uma tendência de alta, podemos realizar trades lucrativos contra a tendência.