Na aula anterior, resumimos a história da criptomoeda pai — ou como encontramos em blogs e fóruns, a moeda Rei — Bitcoin. Mas os atributos e discussões sobre dinheiro digital já existiam décadas antes da criação de Nakamoto.

O pioneiro desta evolução foi David Chaum, que em 1983 desenvolveu a primeira aplicação digital do dinheiro chamada eCash e anos mais tarde trouxe sua nova empresa, DigiCash. Ambos modelos falharam, mas abriram as portas para o desenvolvimento e aprimoramento das ideias acerca das criptomoedas.

Mas, afinal, por que só o Bitcoin “emplacou”?

O paper desenvolvido por Satoshi fomentava a criação de uma rede p2p (Peer to Peer), que via mecanismos de validação dentro de uma blockchain que prometia descentralizar, gerar confiança e excluir o processo de Gasto Duplo.

No nosso sistema bancário atual, assim como as empresas de David Chaum, há um centralizador que irá validar as transações entre indivíduos, tornando o processo custoso e não democrático.

O papel dos intermediários bancários é de “movimentar” seu dinheiro para outra pessoa, para que você não utilize mais de uma vez o mesmo dinheiro. Dentro dos componentes adotados pela blockchain do Bitcoin foi possível descentralizar o trabalho dos bancos, atribuindo a confiança do sistema aos nodes¹ e mineradores² da rede.  

Mas, afinal, o que é blockchain?

A tradução para “blockchain” é “cadeia de blocos”, e, na prática, ele é como um caderno de registros, onde todos os blocos de Bitcoin minerados ficam registrados para sempre, desde o início da moeda — inclusive, é graças a ele que podemos ver as possíveis transações de Satoshi, que mostram que ele pode ser uma das pessoas mais ricas do mundo.

Porém, a identidade do operador sempre é preservada, pois somente códigos ficam à disposição da consulta, e como o Bitcoin é protegido por criptografia, será muito difícil descobrir algo na blockchain.

Funciona mais ou menos assim: eu faço uma transação para um amigo, o que gera uma peça (vamos chamar assim o código que identifica que eu fiz essa transação).

Uma vez que essa peça é validada pelo sistema, isto é, uma vez que o sistema identificou que está tudo dentro das normas e não há tentativas de fraude, a peça será integrada às peças de outros operadores, formando um bloco.

Esse bloco fica registrado no blockchain e ganha um código. No entanto, quando ele entra no blockchain, ele entra depois de outro bloco, e pega uma parte do código desse bloco anterior para criar o seu próprio código.

Dessa forma, se alguém tentar burlar as regras em um bloco, o código ficará alterado e veremos que ele não possui o código correto de acordo com o bloco anterior. Seria mais ou menos como a imagem abaixo:

Uma vez que as transações são confirmadas, nunca mais poderão ser alteradas, pois isso iniciaria um erro em cadeia e o sistema provavelmente travaria.

É por isso que o Bitcoin é considerado tão seguro, pois além de reservar sua identidade, impede que suas moedas sejam roubadas, mesmo durante uma transação, e você ainda pode conferir o registro.

Pode ser que o tempo para uma transação ser realizada demore bastante (como vimos, há um limite para cada bloco minerado), porém, uma vez que foi dada a ordem, ela não pode ser desfeita.

Todos os dias, bilhões de reais são movimentados em criptomoedas, e tudo isso acontece anonimamente e, aparentemente, de forma muito segura.

¹ Nodes (nós) da rede: são indivíduos responsáveis pela conexão entre pontos da rede, realizando o trabalho de comunicar as transações geradas para a rede da blockchain. Desta forma, os nodes (nós) da rede trabalham para garantir a confiabilidade da rede. Caso um node tente agir de má fé, transmitindo uma informação errada, ele será banido da rede.  

² Mineradores: também são nós da rede e possuem a função de organizar e padronizar as transações realizadas por dentro das blockchains, podendo ser individuais ou Mining Pools (piscinas de mineração). Suas funções principais são de validar as transações realizadas na rede da criptomoedas e alocar isso em forma de blocos, criando uma cadeia de blocos (blockchain).  Para que esse trabalho seja feito, os mineradores competem entre si para atingirem a formação dos blocos. Eles são remunerados justamente para isso. Esse trabalho consiste em realizar cálculos extremamente complexos dentro de um ambiente de criptografia chamado de SHA256 (Secure Hash Algorithm). Quando o cálculo é validado, ele é registrado e pode ser analisado pelos outros nodes.


Os especialistas do Portal do Trader desenvolveram um plano completo para você evoluir seu operacional, seja começando do zero ou aprimorando suas técnicas preferidas. Aprenda hoje mesmo com aulas que já estão liberadas: Comece o Plano TNT.

Avaliações da aula:
4,8 (503)
assista o vídeo até o fim para avaliar

Publicação: 29/11/2021 10:30
Atualização: 29/11/2021 18:59