Eu deveria me preocupar em estudar uma diversidade de técnicas e estratégias?


Cada trader, ao longo de sua evolução, desenvolve o que chamamos de DNA Operacional. Esse DNA é uma combinação única das técnicas preferidas e das suas características individuais.

Para encontrar o seu DNA Operacional, é preciso estudar diferentes técnicas, prazos operacionais e mercados para chegar naquilo que faz mais sentido para você. As pessoas são únicas!

Você já desenvolveu o seu?

Um mais um é mais que dois.

Para quem chega ao mercado e começa a dar seus primeiros passos, a primeira impressão que se tem é que o mundo do trading se divide entre fundamentalistas, grafistas e tape readers.

Para colocar mais lenha na fogueira, os adeptos de cada método, muitas vezes, digladiam-se ao defenderem sua metodologia como a melhor e a que traz mais lucros ao investidor.

Defensores da análise fundamentalista desacreditam completamente da análise gráfica. Chamam de tentativa de prever o futuro. Grafistas, por sua vez, dizem que a análise fundamentalista pode até funcionar no longo prazo, mas perdem-se inúmeras oportunidades de ganhar dinheiro com as oscilações dos preços que sempre ocorrem com o passar dos anos. Traders defensores do tape reading costumam ser puristas e afirmam que esta é a única forma de conhecer o mercado diretamente em sua origem.

Nessa hora, é preciso ter bom-senso e calma. Todas as três metodologias são excelentes e funcionam muito bem. Cada uma irá atender a um perfil de investidor, e alcançará os resultados pretendidos através de uma estratégia própria.

Mas, se pararmos para pensar, já que essas metodologias abordam os mercados sob alguns aspectos particulares, por que não aproveitar as diferentes abordagens e fazer uma análise a partir daquilo que se complementam?

Pois essa é a ideia por trás da junção da análise técnica com o tape reading. Há aspectos que são mais bem observados através dos gráficos do que pela análise de fluxo. Há outros que são bem mais fáceis de se olhar no book de ofertas e no Times & Sales do que no gráfico.

É bem mais fácil, por exemplo, identificar pontos tradicionais de suporte e resistência através de um gráfico. Ali, a informação é visual – basta você dar um zoom out no gráfico e as regiões de suporte e resistência saltarão diante dos seus olhos. Fazer isso com uma tela de fluxo correndo apresentaria uma dificuldade enorme.

Por outro lado, o mesmo suporte ou resistência, visto exclusivamente através do gráfico, esconderá de você o tamanho da fila, o fluxo e a força das agressões, o que permitiria a você antecipar-se a um possível rompimento ou mesmo uma reversão.

Você pode operar o mercado utilizando as duas técnicas simultaneamente ou, se preferir, empregar cada uma delas em momentos diferentes para atender propósitos distintos.

Você pode, por exemplo, analisar a situação geral de um determinado ativo olhando para os suportes, resistências ou linhas de tendência, ou, ainda, os pontos onde houver maior volume de negociação, tudo isso via gráfico. Uma vez compreendido o cenário, você pode utilizar os dados de fluxo para refinar suas decisões táticas e também as entradas de saídas dos trades.

O fato é que, aquilo que você puder fazer que o permita ganhar dinheiro de forma consistente no mercado, você deverá fazer. A discussão sobre qual a melhor técnica pode até ser útil em algum momento, mas o que importa em nossa profissão é como extrair dinheiro do mercado de forma mais eficiente.